LUTA PELA SOBREVIVÊNCIA - Conheça as novas medidas de O Lado Oculto para manter a publicação.

O LADO OCULTO - Jornal Digital de Informação Internacional | Director: José Goulão

O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

Assinar

ACORDO DO AFEGANISTÃO É A DERROTA DA NATO

O cenário do acordo sobre o Afeganistão em Doha, no Qatar

2020-03-05

José Goulão, Exclusivo O Lado Oculto/AbrilAbril

Consta dos anais diplomáticos dos finais dos anos sessenta do século passado que os Estados Unidos reconheceram a sua derrota militar no Vietname a partir do momento em que cederam perante as partes vietnamitas na discussão sobre o formato da mesa de conversações em Paris – que, na prática, reconheceu o Governo Revolucionário Provisório do Vietname do Sul. Cinquenta anos depois, a assinatura de um acordo com os Talibã em Doha, no Qatar, é a confissão da derrota norte-americana na sua mais longa guerra, a do Afeganistão. Uma derrota que não é apenas dos Estados Unidos mas também da NATO – logo dos próprios governos que integram a aliança.

Em Portugal, como de costume, assobia-se para o lado e prefere saudar-se o hipotético fim de uma guerra que, na prática, não é o fim de uma guerra mas um esforço dos agressores para salvar o que for possível, de maneira a garantir a continuação da presença num país que é chave para influir na Ásia Central. O Pentágono, aliás, não esperou mais do que escassas horas para explicar isso mesmo ao bombardear um suposto “esconderijo” talibã na província de Helmand e garantindo a seguir, no mais puro léxico atlantista, que se tratou “de um ataque defensivo”.

O acordo com os Talibã, a que se juntam os “anexos secretos” cuja existência já foi confirmada pela parte norte-americana, é uma confissão de derrota militar, a que o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, preferiu chamar eufemisticamente “impasse estratégico”. Muitos estarão ainda lembrados que, em Outubro de 2001, George W. Bush e a sua corte prometeram cumprir em escassos dias os objectivos prometidos com a invasão do Afeganistão: liquidar Bin Laden, destroçar os Talibã e instaurar “a democracia” no país.

Dezoito anos e alguns meses depois, os Estados Unidos têm 13 mil soldados no terreno, sem contar com os efectivos dos outros países da NATO e os mercenários das empresas de segurança contratadas. Os Talibã controlam maior percentagem de território do que em 2001. A “democracia” assenta na fraude e na corrupção e está reduzida à capital, Cabul. As forças militares e de segurança afegãs criadas, financiadas e treinadas pela NATO são um fiasco quando enfrentam as dos Talibã. Grande parte do país foi devastado e nada foi reconstruído. A única coisa que floresceu entretanto, e muito, foi o tráfico de heroína produzida a partir do ópio afegão.

Uma trégua bilateralmente conveniente

O acordo assinado por Washington com o grupo que, nos seus primeiros tempos, era conhecido como o dos “estudantes de teologia”, uma organização armada islâmica associada à etnia pashtun - dominante no Afeganistão - e que emergiu do magma mujahidin criado pela CIA para combater os soviéticos, foi estabelecido para tentar mitigar o mútuo desgaste de guerra. Em primeira instância, permite à Administração Trump usar eleitoralmente a promessa de fazer regressar os “boys” a casa – na realidade apenas um terço dos efectivos, 4400 em 13 mil – e dentro de um ano e meio; além disso, funcionando efectivamente como “trégua” poderá permitir uma acentuada quebra nas baixas militares e mercenárias, além de um significativo abrandamento do clima cáustico na comunicação social em relação ao arrastamento da guerra sem quaisquer perspectivas de solução militar. No imediato, o acordo serve para tentar retirar o fracasso militar afegão dos temas quentes do período eleitoral norte-americano.

Nada disto disfarça que o acordo seja, de facto, aquilo que é: uma confissão de derrota dos Estados Unidos sem discutir sequer – ao que se saiba – o formato da mesa utilizada em Doha.

Em termos gerais, o acordo estabelece uma trégua durante a qual decorrerão “negociações intra-afegãs” sobre o futuro do país. Um período em que virão ao de cima as contradições entre zonas de influência tribais, étnicas e paramilitares sendo que não está excluída a possibilidade de o Hezb-i-Islami (Partido Islâmico), apoiado pela Arábia Saudita e o Paquistão, entrar em confronto armado com os Talibã.

O Irão foi “esquecido”

Outro aspecto que torna o acordo de Doha um arranjo transitório e parcial é o facto de ter ignorado em absoluto a componente iraniana do problema afegão, quanto mais não seja pelo facto de o Irão acolher 3,5 milhões de refugiados do Afeganistão.

Uma omissão que não decorre apenas no antagonismo cego de Washington em relação ao Irão: tem igualmente a ver com o objectivo norte-americano de estancar a crescente influência russa e chinesa sobre os Talibã e o Afeganistão – cuja principal porta de entrada é Teerão. Daí que o acordo de Doha tenha implícita uma redução irreal dos assuntos afegãos ao binómio Estados Unidos-Talibã, ou seja, na tradicional perspectiva norte-americana, uma tentativa de Washington para “comprar” o seu principal inimigo militar e convertê-lo em instrumento de influência – como aconteceu durante os anos noventa.

Um dos “anexos secretos” cujo conteúdo tem transpirado confirma que a negociação de “vantagens mútuas” é uma das componentes do processo bilateral. Estabelece que a CIA tem permissão para fazer negócios em áreas controladas pelos Talibã; por outras palavras, a agência pode continuar a superintender o grandioso maná da cultura de ópio, produção e tráfico de heroína com o qual financia as suas operações clandestinas através do mundo. A produção de ópio e a quota de participação do Afeganistão no tráfico de heroína têm aumentado de maneira permanente e até exponencial desde o início da invasão da NATO, em 2001, segundo relatórios oficiais das Nações Unidas.

A moeda de troca para convencer os Talibã poderá ser o investimento norte-americano no desenvolvimento pacífico do Afeganistão – com repercussões no controlo sobre a Ásia Central – através de projectos de integração internacional recentemente criados em Washington para tentar rebater as acções chinesas e russas no âmbito da Iniciativa Cintura e Estrada (ICE) de Pequim e da Organização de Cooperação de Xangai, que agrega as duas potências e da qual o Irão tem estatuto de observador – podendo tornar-se membro permanente em breve. Um Afeganistão pacificado como base de influências sobre a Ásia Central e zona de passagem das novas rotas comerciais entre o Oriente e o Ocidente são perspectivas naturais, mas a muito longo prazo e ainda periclitantes, do acordo assinado em Doha.

As duas partes signatárias estão visivelmente a tactear terreno, cientes de que as perspectivas de evolução militar não garantem as suas ambições. Ambos os lados tentam ganhar tempo através de concessões menores e um status quo menos desgastante, mas sem terem abandonado formalmente os objectivos que significam a vitória no conflito: do lado Talibã, a retirada total das tropas norte-americanas e da NATO; do lado norte-americano e da NATO o estabelecimento no país de uma situação política e militar respeitadora da ordem imperial e a manutenção da sua presença militar no terreno.

Quando os povos contam

O acordo pode ser um passo intermédio para coisa nenhuma a não ser a continuação da guerra, situação que é do agrado do poderoso ramo militar do establishment norte-americano.

A sua assinatura por Washington, ainda que por questões tácticas e de circunstância, representa, porém, uma confissão de derrota da potência imperial e respectiva corte de aliados militares formando a aliança agressiva com maior poder militar da história da humanidade.

Tal como há 50 anos no Vietname e agora no Iraque, na Síria e, por maioria de razão, no Afeganistão, prova-se que a força bruta pode não chegar contra exércitos ou organizações enraizadas nos povos que se defendem das agressões.

Não são comparáveis as estruturas patrióticas vietnamitas e os grupos talibãs. Não restam dúvidas, porém, que vitória da resistência popular vietnamita se deveu à sua forte ligação às populações de todo o país, das quais era, de facto, uma emanação. No Afeganistão, nem todos os pashtuns são talibãs mas quase todos os talibãs são pashtun, a etnia dominante no país. E os pashtuns têm uma longa história de afirmação soberana e de absoluto inconformismo perante a arrogância e os poderes estrangeiros que tentam impor a sua força. Neste aspecto, as situações vietnamitas e afegã são indubitavelmente comparáveis.

Os Estados Unidos e a NATO não aprendem, continuam a minimizar a capacidade de superação dos povos e a considerar que podem escrever a História ao ritmo dos interesses potencialmente criminosos das elites que servem. Puro engano, como ficou de novo à vista agora em Doha.


fechar
goto top