O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

TEMPO DE TREVAS PARA AS MULHERES DO ALABAMA

Mulheres protestam contra a nova lei restritiva do aborto, de inspiração medieval, no Alabama

2019-05-19

Jorge Fonseca de Almeida*, especial para O Lado Oculto

O Estado norte-americano do Alabama aprovou uma nova Lei ilegalizando o aborto e só o consentindo em caso de perigo sério de vida para a mulher.

Apesar das críticas generalizadas a governadora republicana Kay Ivey assinou na quarta-feira, dia 15 de Maio, a lei aprovada pelo Senado Estadual na terça-feira anterior.

Os opositores vão recorrer ao Supremo Tribunal no sentido de a declarar ilegal.

A nova lei: 10 a 99 anos de cadeia

Protesto de mulheres contra a nova lei

A nova lei, de inspiração ultraconservadora e cristã, a mais restritiva dos Estados Unidos, vem criminalizar o aborto só o consentindo em face de perigo sério de vida para a mulher. Mesmo em casos de incesto e violação o aborto passa a ser proibido e a constituir um crime.

Assim, um médico ou qualquer profissional de saúde envolvido na interrupção voluntária da gravidez passa a enfrentar uma pena de prisão de no mínimo 10 anos de cadeia e no máximo 99 anos de prisão.

A aprovação desta Lei no Alabama enquadra-se numa ofensiva republicana contra os direitos das mulheres, nomeadamente dos seus direitos reprodutivos, que já levou a alterações da lei do aborto noutros seis Estados: Ohio, Dakota do Norte, Arkansas, Geórgia, Mississípi, Kentucky.

Esta ofensiva surge na sequência da nomeação por Donald Trump do Juiz Kavanaugh, um indivíduo acusado de abusos sexuais na juventude, para o Supremo Tribunal americano, formando uma maioria de membros conservadores neste órgão.

Outros Estados, como o Louisiana, preparam também legislação restritiva do aborto. O Missouri aprovou quase de seguida, na sexta-feira, dia 17 de Maio, uma lei de restrição do aborto.

O Alabama

Instalações do Arsenal de Redstone no Alabama

O Estado do Alabama ocupa uma área maior que Portugal mas tem uma população de apenas cinco milhões de pessoas, das quais 26% são negros, 68% brancos sendo os restantes de outras etnias.

É um Estado fortemente militarizado, que depende em grande medida das Forças Armadas. Na verdade, entre os cinco maiores empregadores do Alabama estão o Arsenal de Redstone (25 mil trabalhadores) e a Base Aérea de Maxwell (mais de 18 mil trabalhadores), que estão à frente da Função Pública do Estado (9500 funcionários).

Esta grande presença militar tem contribuído para criar um ambiente social e político cada vez mais favorável às ideias da extrema-direita racista e intolerante.

Um Estado com larga tradição de racismo e misoginia. Aí dominaram durante décadas as infames leis racistas de Jim Crow, que impunham um férreo apartheid.

Falta de diversidade na política

Composição do Senado do Alabama

As mulheres representam 51% da população do Alabama, mas os legisladores (deputados e senadores) das duas câmaras são na sua esmagadora maioria, mais de 80%, homens. As mulheres estão claramente sub-representadas.

A importância dessa sub-representação fica patente quando um grupo de homens brancos toma uma decisão como esta sobre o aborto afectando essencialmente as vidas das mulheres de todas as comunidades.

A lei foi aprovada no Senado, composto por 35 membros, dos quais 27 republicanos e 8 democratas, por uma votação de 25 a favor e 6 contra. Todas as senadoras votaram contra a nova lei.

No Senado existem apenas 4 mulheres (11%) das quais 3 negras, num total de 6 negros (17%). Como se vê mulheres e negros estão sub-representados, embora entre os eleitos da comunidade negra a representatividade de género esteja equilibrada.

Conclusão

A falta de diversidade permite a alguns grupos, neste caso homens brancos, impor a sua vontade aos grupos sub-representados, neste caso as mulheres e a comunidade negra.

É tempo de em Portugal proteger as comunidades minoritárias, fazendo eleger equilibradamente representantes oriundos dessas comunidades para o Parlamento Europeu e Nacional. Equilibradamente significa que não se trata de eleger um ou dois indivíduos para “inglês ver”, mas sim na justa medida requerida.

Economista, MBA

Mais notícias...

Iniciar sessão

Recuperar password

goto top