O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

COMPRAR A GRONELÂNDIA NÃO É UMA PIADA

A ideia de Trump sobre a compra da Gronelândia é para levar a sério. Grandes operações, mesmo as que são aparentemente mais bizarras, podem começar com balões de ensaio como este. A Gronelândia não é um iceberg em águas árcticas: é uma vasta ilha com importância estratégica - sobretudo com a retirada norte-americana do Tratado INF - que tem importantes riquezas naturais, entre elas petróleo, gás natural e metais terras raras. Sendo que as preocupações sobre as sensibilidades ambientais, árcticas ou outras, não costumam travar Trump. A Gronelândia é um território autónomo da Dinamarca e que não integra a União Europeia. Poderá ou quererá Copenhaga evitar o negócio se Washington, muito à sua maneira, insistir nele?

GUERRA DO IÉMEN: SAQUE DE PETRÓLEO E JOGO ESTRATÉGICO

Numa altura em que alguns meios de comunicação da ortodoxia neoliberal parecem ter acordado para uma agressão militar que dura há mais de cinco anos – e manipulam as circunstâncias do conflito – informações sobre o comportamento da Arábia Saudita no Iémen confirmam que se trata de uma guerra colonial para saque das riquezas naturais iemenitas, com o petróleo à cabeça. E também de uma estratégia contra o Irão.

MÍSSEIS RUSSOS NA TURQUIA ABALAM XADREZ ESTRATÉGICO

Em 12 de Julho a Rússia entregou à Turquia o primeiro carregamento de mísseis antiaéreos S-400, de acordo com o Ministério da Defesa de Ancara. Estão previstas mais duas entregas até final do Verão, sendo a última, segundo a mesma fonte, de “mais 120 mísseis antiaéreos de vários tipos” e que viajarão por via marítima. A concretização do negócio entre Moscovo e o país que possui as maiores forças convencionais da NATO, a seguir aos Estados Unidos, tem um potencial desestabilizador para as relações de forças existentes entre as grandes potências mundiais.

IDEIA DAS “SABOTAGENS IRANIANAS” JÁ TEM 10 ANOS

Os "incidentes" com petroleiros no Médio Oriente sucedem-se. Tal como se sucedem as acusações proferidas pelos mais altos responsáveis norte-americanos contra o Irão, sem exibirem qualquer prova do que dizem e ignorando as veementes negativas de Teerão. Escutando os tambores de guerra norte-americanos contra o Irão, já não surpreende que aconteçam coisas estranhas e pouco explicadas como os "incidentes" deste tipo. Tanto mais que já há 10 anos um poderoso think tank norte-americano, a Brookings Institution", teorizava sobre a utilidade das "provocações iranianas", em relação às quais, aliás, Teerão era "muito reservado". Isto é, não "colabora" muito.

CONFIRMA-SE APROXIMAÇÃO ENTRE PARIS E MOSCOVO

Confirma-se que o presidente francês pretende uma relação menos conflituosa com Moscovo, afastando-se da ortodoxia norte-americana e da União Europeia

CHINA E RÚSSIA AGREGAM OS SEUS PROJECTOS INTERNACIONAIS

A Rússia e a China começaram a integrar os seus grandes projectos internacionais: Partenariado da Eurásia Alargada e Nova Rota da Seda. Uma iniciativa com grande peso global

CONHEÇA A ESTRATÉGIA PARA ABATER A RÚSSIA

Uma das principais instituições de conspiração de Washington explica a estratégia sistemática para abater a Rússia com recursos e riscos a ser pagos, em grande medida, pelos europeus.

O COLAPSO DA SOBERANIA E DA VERGONHA NO BRASIL

A entrega das políticas externa e de defesa nacional brasileiras aos Estados Unidos é prova do colapso de soberania e da vergonha do país, transformado em colónia.

CHINA VAI GERIR OS PORTOS ISRAELITAS

Uma empresa pública chinesa adquiriu a concessão da exploração dos dois maiores portos israelitas, que representam 90% do movimento portuário do país. Uma alteração regional profunda

RÚSSIA E CHINA RESPONDEM AO CERCO

Dois acontecimentos de grande envergadura testemunham o entendimento cada vez mais forte entre a China Popular e a Federação Russa nos domínios económico e militar: o Fórum de Vladivostok e as manobras militares Vostok 2018. Reforça-se o núcleo principal da oposição à globalização anglo-saxónica, dilui-se a unipolaridade.

Iniciar sessão

Recuperar password

goto top