O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

VENEZUELA: FORÇAS ARMADAS REJEITARAM GOLPE

Nova intentona, nova derrota da oposição fascista venezuelana sustentada por Washington. Os militares rejeitaram uma operação que tentava envolvê-los e deixaram Juan Guaidó e o foragido Leopoldo López isolados às portas de uma base militar. Milhares de pessoas celebram a derrota golpista junto ao palácio presidencial de Caracas. Em Washington, Pompeo insiste: "todas as hipóteses estão em cima da mesa". Guaidó abandonou a concentração golpista a meio da tarde; Lopez acoitou-se entretanto na Embaixada do Chile em Caracas.

ASSANGE FOI TROCADO POR EMPRÉSTIMOS DO FMI

A entrega de Assange ficou decidida há dois anos, quando o presidente do Equador, Lenin Moreno, o trocou por 10 mil milhões de dólares de um empréstimo do FMI.

IMPERIALISMO MANIPULA ORGANIZAÇÕES SECRETAS

O imperialismo tem múltiplas formas de actuar. Aqui se fala das infiltrações conspirativas e terroristas em organizações secretas.

O IMPÉRIO CONTRA ATACA PELA EXTREMA-DIREITA

Governos, grandes empresas transnacionais, altos quadros da NATO, "think tanks" e falsas ONG's juntam-se em redes globais de conspiração e manipulação para eternizar a ditadura neoliberal

UM OLHAR BRASILEIRO PARA O FUTURO

João Pedro Stedile, dirigente do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, perspectiva o futuro da resistência no Brasil e promove a campanha internacional para levar Lula até ao Nobel da Paz

OPERAÇÃO CONDOR, PARTE II

A eleição de Jair Bolsonaro como presidente do Brasil traz a peça que faltava no puzzle da nova geração Condor, isto é, os herdeiros das ditaduras militares dos anos 70/80 do século passado que, sob a batuta da CIA, geraram as primeiras experiências do neoliberalismo ortodoxo, puro e duro. Cerca de 50 mil mortos, 30 mil desaparecidos, 400 mil presos políticos provocou a primeira Operação Condor orquestrada pela CIA. Sob métodos diferentes, mas com os mesmos objectivos e maestros, a Operação Condor, Parte II procura a sobrevivência do neoliberalismo sem contemplações com a democracia, agora que a crise se arrasta e exige uma espécie de regresso às origens.

O NEOLIBERALISMO ESTÁ DE REGRESSO ÀS ORIGENS

O neoliberalismo global, em luta pela sobrevivência, entrou decididamente na fase do recurso a regimes autoritários aparentados com o fascismo. A democracia formal, mesmo expurgada do respeito pela vontade dos cidadãos, deixou de ser suficiente para alimentar a ganância insaciável do capitalismo selvagem na crise agónica em que se encontra. Nas Américas, pela mão experimentada dos Estados Unidos e na Europa, graças aos potentes incentivos da União Europeia, o neoliberalismo regressa ao sistema político próprio da sua natureza, onde incubou no Chile de Pinochet em 1973.

PINOCHET CONTINUA A MATAR E O MÉTODO TORNOU-SE GLOBAL

A aplicação pura e dura do neoliberalismo estreou-se em 1973 sob a ditadura terrorista de Pinochet no Chile. A receita económica tornou-se global e continua a matar, por exemplo através da privatização da segurança social

Iniciar sessão

Recuperar password

goto top