LUTA PELA SOBREVIVÊNCIA - Conheça as novas medidas de O Lado Oculto para manter a publicação.

O LADO OCULTO - Jornal Digital de Informação Internacional | Director: José Goulão

O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

Assinar

OS PROFETAS DO VÍRUS

2020-03-26

José Goulão, Exclusivo O Lado Oculto/AbrilAbril

No dia 18 de Outubro de 2019, dezena e meia de tecnocratas de luxo ao serviço das mais altas esferas do regime neoliberal globalista reuniram-se num hotel de Nova York para realizar “um exercício pandémico de alto nível” designado Event 201; consistiu na “simulação de um surto de um novo coronavírus” de âmbito mundial no qual, “à medida que os casos e mortes se avolumam, as consequências tornam-se cada vez mais graves” devido “ao crescimento exponencial semana a semana”. Ninguém ouvira falar ainda de qualquer caso de infecção: estávamos a 20 dias de o jornal britânico Guardian noticiar o aparecimento na China de uma nova doença respiratória provocada – soube-se só algumas semanas depois – por um novo coronavírus. Os dons proféticos dos expoentes do neoliberalismo são, sem dúvida, admiráveis.

Segundo os meios oficiais de divulgação do Event 201, partindo da constatação de que existem cerca de 200 situações de índole viral por ano bastaram apenas três horas e meia aos especialistas “para concordarem que é apenas uma questão de tempo até que uma dessas epidemias se torne global – uma pandemia com consequências potencialmente catastróficas”. Na situação por eles idealizada à volta de uma mesa apuraram que a crise se prolongaria por 18 meses e provocaria “65 milhões de mortos” porque “embora no início alguns países possam conter o vírus ele continua a espalhar-se e a ser reintroduzido, pelo que eventualmente nenhum consegue manter o controlo”.

Montou-se o exercício, explicam os responsáveis, para avaliar “áreas em que as parcerias público-privadas serão necessárias durante a resposta a uma pandemia severa para diminuir as consequências económicas e sociais em grande escala”. Por exemplo, como pode ler-se nas sete medidas recomendadas ao cabo da simulação, “uma pandemia grave interferiria muito na saúde da força de trabalho, nas operações comerciais e no movimento de bens e serviços”. Em pessoas raramente se fala ao longo das explicações relacionadas com o exercício, mas também não foi disso que trataram 15 participantes, “associados a negócios à escala global, governos e saúde pública”. Como disse um deles, Ryan Morhard, entrevistado pela agência financeira Bloomberg a propósito da montagem da simulação, “foi mais de um ano de investigação, um investimento de centenas de milhares de dólares, mas os ensinamentos extraídos são incalculáveis”.

O que terá acontecido em Fort Detrick?

Morhard representou, no exercício, o Fórum Económico Mundial (anualmente em Davos, Suíça), cenáculo da banca privada transnacional e do capitalismo selvagem, um dos organizadores do Event 201 juntamente com a Fundação John Hopkins e a Fundação Bill e Melinda Gates, entidade que se dedica simultaneamente à “campanha mundial de vacinação”, à travagem do crescimento da população mundial e à promoção dos interesses dos grandes impérios farmacêuticos mundiais.

À volta da mesa do hotel de Nova York sentaram-se também representantes oficiais e oficiosos da ONU, do Banco Mundial, do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), da Organização Mundial de Saúde (OMS) e de grandes empresas, designadamente da área de produção e distribuição de instrumentos clínicos e medicamentos e do marketing empresarial, além da banca. Presença especial foi a de Avril Haynes, directora adjunta da CIA durante a administração Obama e também ex-consultora jurídica da agência. Haynes parece especialmente dotada para as profecias no âmbito da epidemiologia, pois já em 2018, num discurso proferido na Camden Conference, anteviu “uma doença infecciosa provocada por um patógeno facilmente transmissível através das vias respiratórias” e que “em seis meses afectará todos os cantos do mundo”.

18 de Outubro, o dia do Event 201, foi também a data de início dos Jogos Mundiais Militares em Wuhan, na China. O que terá este facto de especial, além da coincidência?

Veremos que, no mínimo, a coincidência dá que pensar. Wuhan é a cidade do centro da China onde deflagrou, em Dezembro de 2019, o surto de um novo coronavírus, entretanto designado 2019-nCov ou COVID-19. O ponto de emanação terá sido, segundo fica a saber-se através da comunicação social corporativa – e sem objecções levantadas pelos novos donos da verdade, os fact-checkers – o mercado de frutos do mar da cidade. No entanto, entre os primeiros 41 doentes tratados com o novo vírus nos hospitais de Wuhan, 13 não tiveram qualquer relação com o mercado de peixe e mariscos. O surto, portanto, não teve origem num só lugar.

Além disso, um porta-voz oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Zhao Lijian, fez uma declaração que implica outros caminhos na procura do “paciente zero” da pandemia. “Pode ter sido o Exército dos Estados Unidos que trouxe o surto para Wuhan”, disse perante a teimosia provocatória do presidente norte-americano em qualificar o COVID-19 como um “vírus chinês”. “Sejam transparentes, tornem os vossos dados públicos, devem-nos explicações”, desafiou Zhao Lijian.

A alusão ao Exército dos Estados Unidos e o pedido “de explicações” remetem-nos precisamente para os Jogos Mundiais Militares em Wuhan, nos quais participou uma delegação norte-americana de aproximadamente 300 pessoas. E precisamente durante esses jogos, segundo Larry Romanoff, professor da Universidade de Xangai, cinco participantes – cuja nacionalidade não foi revelada pelos organizadores – foram hospitalizados com uma “infecção desconhecida”. Isto aconteceu entre 18 e 29 de Outubro, cerca de oito semanas antes de ser revelada a existência do surto de novo coronavírus em Wuhan.

A militarização da narrativa aconselha-nos a recuar um pouco mais no tempo, para Julho e Agosto de 2019, altura em que foi encerrado subitamente o principal laboratório de guerra biológica dos Estados Unidos em Fort Detrick, Maryland. A decisão foi tomada pelo CDC invocando falhas em “descontaminar águas residuais” e deficiências na formação e certificação de pessoal dos laboratórios de biocontenção. Contudo, esclarece o insuspeito New York Times, o CDC não teve a possibilidade de fornecer dados mais específicos “por razões de segurança nacional”. Não é top-secret, porém, que entre 2005 e 2012 foram elencados mais de mil casos de roubos ou fuga de organismos patogénicos de laboratórios biológicos norte-americanos – mais de dois por dia.

Estamos perante elementos circunstanciais e factuais, nada mais do que isso. Mas por que será que a comunicação social dominante os esconde do grande público e insiste em amarrar a origem do COVID-19 à cidade de Wuhan?

Como disse o clínico Zhong Nanshan, conselheiro médico chefe da China no combate ao coronavírus: “Na verdade, a epidemia do novo coronavírus teve origem em Wuhan … Mas isso não quer dizer que a sua fonte esteja em Wuhan”. Ou, parafraseando outro porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Geng Shuang, trata-se “de um assunto científico, que requer opiniões científicas e profissionais”. Portanto, no mínimo, a situação merece o benefício da dúvida.

Há muitos obstáculos a remover para se tirar a limpo estas histórias virais.

Medo e pânico

O profético ensaio realizado em 18 de Outubro num hotel de Nova York insere-se neste contexto. O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) esteve representado na reunião na pessoa do director adjunto do Serviço de Saúde Pública e Desenvolvimento da Ciência, Stephen Redd.

Redd não precisaria de ter dons sobrenaturais para saber duas coisas: as razões do encerramento do laboratório de guerra biológica de Fort Detrick; e os problemas registados com a elevada taxa de mortalidade de surto de gripe comum (influenza) na altura registado nos Estados Unidos. Robert Redfield, o director do CDC, viria a admitir, aliás, que muitas dessas vítimas morreram afinal por acção do novo coronavírus, o que foi apurado através de exames póstumos. Ficando no ar a possibilidade de existirem casos letais de COVID-19 nos Estados Unidos antes de se ter desencadeado o surto em Wuhan.

O aparecimento da epidemia pouco tempo depois do Event 201 levantou algumas perplexidades quanto às circunstâncias temporais em que este aconteceu. Há sempre quem seja céptico quando se trata de adivinhações ou poderes sobrenaturais.

Tanto bastou para que as dúvidas e as interrogações fossem cilindradas pelos fact-checkers de serviço em vários azimutes, que as declararam sumariamente como fake news e mais uma manifestação da irredutível tendência para a “teoria da conspiração”.

Segundo essas almas censórias, os participantes na simulação não fizeram qualquer previsão relacionada com aquilo que previram e o número de mortes calculado – 65 milhões em 18 meses – prova que as suas estimativas não dizem respeito à pandemia de COVID-19 apesar se relacionarem com um novo coronavírus. O exercício poderia, em boa verdade, ter decorrido com base num surto de ébola, de gripe suína H1N1 mas não: os promotores escolheram um coronavírus, nada mais, nada menos. E os censores não se interrogaram sobre a coincidência desta opção.

Aos fact-checkers bastou a garantia dada pelos organizadores da simulação numa declaração divulgada através dos seus órgãos oficiais já em plena pandemia real: “Embora o exercício tenha sido realizado com um novo coronavírus fictício, as entradas que usámos para estabelecer o modelo do impacto não são semelhantes ao COVID-19”. A previsão de 65 milhões de mortes não vale para o vírus real, podemos ficar descansados. Aliás, neste processo parece que ninguém tentou lançar o medo e mesmo o pânico entre as instituições e a população.

Cronologias surpreendentes

O que não pode ser posto em causa, porque está escrito pelos representantes da nata do capitalismo selvagem na simulação de Nova York, é que “a próxima pandemia grave provocará muita doença e perda de vidas mas também poderá desencadear importantes consequências económicas em torrente (…) Os esforços para evitar tais consequências ou para lhes responder à medida que se desenvolvem exigirão níveis sem precedentes de colaboração entre governos, organizações internacionais e o sector privado”.

Estas considerações servem de introdução às sete medidas aconselhadas pelos participantes no Event 201 – e começamos assim a chegar ao coração do negócio – porque é de grande negócio que se trata. Como, noutro plano, grande é o negócio da geoengenharia e mais formas de “adaptação” às alterações climáticas que tanto motivam igualmente a Fundação Bill e Melinda Gates e o Fórum Económico Mundial, promotores das adivinhações de Nova York. As quais “demonstraram vivamente algumas importantes lacunas nos preparativos para o combate à pandemia” e permitiram encarar “soluções entre os sectores público e privado que será necessário preencher”.

Revelando a existência de uma grande e oportuna capacidade de resposta, no último Fórum Económico Mundial, realizado em Davos entre 21 e 24 de Janeiro, foi logo apresentado um programa de vacinação contra o coronavírus – apenas duas semanas depois de o COVID-19 ter sido identificado, em 7 de Janeiro. E ainda uma semana antes de a Organização Mundial de Saúde (OMS) ter lançado a “emergência mundial de saúde pública” (30 de Janeiro) – a declaração de pandemia só aconteceu tempos depois. O tiro de partida da corrida às vacinas foi dado, portanto, quando havia somente 150 casos de COVID-19 oficialmente detectados no exterior da China, seis deles nos Estados Unidos.

Mais vale prevenir que remediar, dir-se-á. Ou o conhecimento de situações que ainda não são do domínio do grande público permite marcar posições de vantagem – esse é o poder da informação privilegiada ou inside information.

O certo é que ainda em 23 de Janeiro, último dia do Fórum de Davos deste ano, a CEPI entrou decididamente em campo para tentar tomar conta do processo de criação de vacinas contra o COVID-19. A CEPI, comissão que centraliza as inovações para o combate a epidemias, é patrocinada precisamente pelo Fórum Económico Mundial e pela Fundação Bill e Melinda Gates e, por essas vias, tem grande peso na Organização Mundial de Saúde.

A CEPI lida, em modo tendencialmente monopolista, com vários gigantes da indústria farmacêutica e, neste âmbito, accionou em primeiro lugar a empresa norte-americana Moderna Inc. e o Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (NIAID), chefiado pelo dr. Anthony Fauci, que se distinguiu pelas suas declarações atemorizadoras do impacto do novo coronavírus quando ele praticamente ainda mal se manifestara, em termos de reconhecimento oficial, no exterior da China. Depois a CEPI contactou a CureVac alemã, a mesma empresa à qual Donald Trump, aconselhado pelo NIAID, ofereceu secretamente mil milhões de dólares para ceder aos Estados Unidos os direitos de uma eventual vacina para o COVID-19.

A Moderna é hoje a empresa mais bem posicionada na corrida à vacina do COVID-19: iniciou testes em seres humanos em 16 de Março mesmo sem ter feito experiências em outros animais; ao contrário do que aconteceu com a chinesa Canssino Biologic’s, também a realizar ensaios em seres humanos mas depois de ter obtido resultados encorajadores em outros animais.

A CureVac alemã parece estar igualmente numa fase avançada da investigação da vacina, o que significa, de facto, um grande controlo dos trabalhos em curso por parte da CEPI.

Richard Hackett, o presidente desta comissão, confessou em 3 de Fevereiro que “conversámos com ampla variedade de parceiros para produzir grande quantidade de vacinas para uma pandemia” – que então ainda não fora declarada. 

Também Hackett manifesta dons proféticos: “o projecto começou antes de ser descoberto e identificado o novo coronavírus”, disse durante uma entrevista; “fizemos isso no ano passado ou antes e usámos a informação que reunimos para ir encarando a preparação de vacinas de diferentes tipos”. A estratégia, explicou o presidente da CEPI, “é ter grande número de candidatos”.

Há claramente um grande esforço das elites neoliberais para não perderem o controlo da produção de vacinas para o novo coronavírus e tirar proveito da situação; bem basta de terem de contar com a concorrência chinesa.

“Os governos devem…"

Feita a simulação catastrófica, que medidas recomendaram os iluminados de Nova York para fazer frente às consequências?

Ao longo dessa espécie de sete mandamentos a expressão que pode ler-se mais é "os governos devem…”

“Os governos nacionais devem”, juntamente com as organizações internacionais e a indústria privada, “reforçar os stocks mundiais de contramedidas médicas (…) expandir o stock de vacinas (…) doar parte das suas reservas de vacinação (…) fornecer financiamento substancial”. É oportuno notar que o reforço e centralização de instrumentos médicos foi a única medida tomada até agora pela União Europeia no âmbito do combate à pandemia de COVID-19.

“Os governos nacionais devem fornecer mais recursos e apoio ao desenvolvimento e fabrico de vacinas, ao desenvolvimento, abastecimento e distribuição rápida e em grandes quantidades de contramedidas médicas”; além disso, os países “com recursos suficientes devem aumentar bastante essa capacidade”.

“Os governos nacionais devem”… ajudar as grandes empresas do sector privado “a encarar os riscos comerciais representados por doenças infecciosas e a caminhar para atenuar esses riscos através da cooperação público-privada”.

Mas “também será necessário identificar” os problemas “mais críticos do sistema bancário e das economias globais necessárias e demasiado importantes para fracassar”, aconselham. Por isso, “o Banco Mundial, o FMI, os bancos de desenvolvimento regional, os governos nacionais e fundações devem explorar as maneiras de aumentar a quantidade e a disponibilidade de fundos e garantir que possam ser utilizados com flexibilidade”. E o Grupo dos 20 (G20) acaba de prometer mundos e fundos para injectar na economia global.

“Os governos devem”, “os governos devem”, “os governos devem” é o mote.

Porém, advertem os profetas da simulação, “uma pandemia particularmente veloz e letal poderia resultar em decisões políticas para retardar ou interromper o movimento de pessoas e bens, prejudicando potencialmente as economias já vulneráveis perante um surto”. Daí “a necessidade de mitigar os danos económicos mantendo-se as principais rotas de viagem e comércio durante uma pandemia de grande escala”, até porque grande parte dos danos “devem-se a comportamentos contraproducentes de indivíduos, empresas e países”.

Esta recomendação não parece ter sido ouvida ou então a pandemia real surgiu demasiado em cima da pandemia ficcionada. “Não agimos de maneira suficientemente rápida”, lamentou muito recentemente o próprio Bill Gates.

Mas parece haver quem esteja disponível para emendar o “erro” e a estratégia: o presidente dos Estados Unidos pediu o regresso ao trabalho exactamente no momento em que o ataque do COVID-19 começa a ter repercussões trágicas no seu país. Wall Street agradeceu e logo começou a compensar as perdas vultosas sofridas nas últimas semanas.

Porque as pandemias, verdade seja dita, têm as suas oportunidades de negócio. Por isso, as entidades que montaram o Event 201 com o coronavírus inventado são as mesmas que, a jusante, se preparam para extrair avultados dividendos com o coronavírus verdadeiro – juntando a ficção à realidade. 

Enquanto as pessoas morrem.


fechar
goto top